Serafim Barbosa
Durante os anos que estudou Artes Gráficas na Escola Artística e Profissional Árvore,o seu processo se baseia na expressão da arte e destaque público,os seus trabalhos representam obras relativas á expressão e na face do oculto,visões que se apresentam entre as relações do neocubismo e complexos gráficos que se mostram na construção de projectos,moda,conceitos tribalistas antigos onde a palavra de ordem é a obcessão e o grito humano;contudo durante o seu processo artístico existe na pesquisa de novos conceitos e novas projecções para o mundo das artes,ao estar em contacto com os projectos de Miguel Ortigão,gerente da Rota do Chá,Artur Mendanha e de Marina Costa foram esses mesmos conceitos que o inspiraram a trazer novas ideias para o novo mundo das artes,onde a procura não se remete a projectos monetários mas sim ao cliente em si e á pesquisa de novos recursos. A sua juventude foi passada no progresso da empresa de Steve Paul Jobs e Steve Wozniak,a Apple,durante o começo da década de 90 tomou uma nova postura ao qual lhe foi concebida a oferta de abraçar o novo conceito da empresa de Steve Paul Jobs durante a criação de novos Macs G3,G4,G5 e as novas configurações Intel ``Do-it-Yourself`` são as que fazem dele um ``Apple Addicted`` para o progresso no mundo das Artes Gráficas,a ideia do conceito de descomplicar as coisas tinha sido o que mais lhe tinha aberto a mente. Anteriormente as passagens pelo Jornal ``Ribadouro`` do Colégio dos Orfãos do Porto (COP) esteve nos primeiros patamares para abertura de uma nova visiblidade e a adesão a um proconceito que ainda perdura e cresce.A ideia de trazer a arte do mesmo para os média não é um conceito novo apesar do conceito do mesmo ser diferente no que consta á sua genialidade durante e tempo de antena do seu discurso.